Os diferentes tipos de aposentadoria

O Instituto Nacional de Seguridade Social, o INSS, administra o que se chama de Regime Geral da Previdência Social (RGPS). São os recursos da maioria dos brasileiros, trabalhadores do setor privado e servidores públicos que não sejam estatutários.

No caso dos estatutários, existe o Regime Próprio dos Serviços Públicos (RPPS). Podem ser funcionários que trabalham para o município, para o estado, ou para a federação. E nesse caso os recursos são administrados pelos governos (prefeitura, estado ou federal). Os militares também têm um regime próprio (RPPS).

Além da previdência pública, existe a previdência privada, pela qual o trabalhador pode optar por intermédio de um banco e que é administrada por fundos de pensão abertos ou fechados.

No atual modelo, chamado de regime de repartição, o trabalhador que está na ativa paga os benefícios de quem já está aposentado. E quem pagará sua aposentadoria, no futuro, é quem estiver trabalhando quando esse tempo chegar. Atualmente, há mais trabalhadores contribuindo para um número reduzido de aposentados, proporção de cinco na ativa para um idoso.

Mas esse número vai mudar ao longo do tempo e a parcela da população brasileira com mais de 65 anos deve passar, segundo o IBGE, dos atuais 9,2% para 25,5% em 2060. Daí a importância de fazer mudanças que realmente melhorem o financiamento do Previdência, as relações de trabalho, a criação de empregos e não abandone os aposentados à própria sorte.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Outros Conteúdos