ato reforma da previdência

Para saber tudo de reforma da Previdência, a rua é melhor que a TV

Quem foi para os atos, pelas ruas de todo o Brasil, aprendeu um pouco mais sobre os riscos que os trabalhadores correm de perder o direito à aposentadoria

Por Redação

São Paulo – Um vale lotado, num dia de sol, música e encontros. Quem foi até o Anhangabaú, no centro paulistano, nesta quarta-feira (1º), teve um Dia do Trabalhado animado. Assim como em outras dezenas de cidades por todo o Brasil, o clima era de festa e de luta.

Misturado às falas de políticos, lideranças sindicais e populares, que ecoavam do palco contra a retirada de direitos e a “reforma” da Previdência do governo Jair Bolsonaro, no chão o assunto também pautava a conversa entre amigos e famílias inteiras.

O segurança João Paulo tirou todo mundo de casa, em Santo Amaro, na zona sul, e foi até o centro de São Paulo para participar do ato. “Do jeito que é hoje eu, que trabalho desde os 14 anos e estou com 47, já estou próximo de me aposentar. Com a reforma, se passar, vou morrer e não vou conseguir aproveitar minha vida”, afirmou à repórter Érica Aragão, do Portal CUT, enquanto aderia ao abaixo-assinado contra a “reforma” da Previdência.

Para João, o rombo nas contas do INSS é mentira porque não se apresentam números que confirmem a Previdência falida. Uma reforma não deveria mexer só com a vida dos trabalhadores, afirma, sem acabar com privilégio nenhum.

A procuradora municipal Maria Elisabete Mercaldo, que ajudava na coleta de assinaturas, conta que a receptividade do povo era muito boa, até mesmo entre eleitores de Bolsonaro. “As pessoas dizem que estão decepcionadas com essas medidas que ele está tomando e que ele está do lado dos banqueiros e não dos trabalhadores.”

Pior para mulheres, negros e PCDs

A geóloga Aline Souza conta que terá de trabalhar mais 32 anos, caso a reforma passe. Está há sete no mercado. “É tempo demais. E quem mais será afetada serão as mulheres, que têm dupla e tripla jornada, aumentando ainda mais a desigualdade entre homens e mulheres.”

Marli dos Santos, aposentada por invalidez devido a paralisia infantil, avalia que a reforma da Previdência de Bolsonaro vai excluir ainda mais as pessoas com deficiência (PCDs) do mercado de trabalho.

“E o Benefício de Prestação Continuada (BPC) vai ser menor do que um salário, como vamos sobreviver?”

“A pobreza é feminina e negra, e a reforma é um atestado de morte para a população negra, principalmente as mulheres negras”, diz Juliana Gonçalves, integrante da Marcha das Mulheres Negras de SP, numa roda de conversa no meio do Anhangabaú, destacando que a reforma de Bolsonaro vai aprofundar a desigualdade entre brancos e não brancos. “A gente tem dito que a reforma é um feminicídio, um genocídio da mulher negra e do povo negro.”

Juliana lembra que as mulheres negras já são empurradas para os trabalhos informais, começam a trabalhar muito cedo e não têm como comprovar. “Já ficou pior com a reforma trabalhista, que acaba com a CLT. E agora, caso essa Previdência passe, não saberemos como será a velhice negra. Iremos morrer antes de aposentar.”

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Outros Conteúdos